Jayme Campos questiona união Frical-Baracat em Várzea Grande

Jayme Campos é enfático ao discutir alianças em Várzea Grande, destacando tensões entre Frical e Baracat e o legado dos Campos na região.

· 1 minuto de leitura
Jayme Campos questiona união Frical-Baracat em Várzea Grande

O senador Jayme Campos expressou suas preocupações sobre a união política entre Flávio Frical e o atual prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat. A presença de ambos no mesmo palanque gerou especulações e debates na esfera política local.

"Se houver um dia em que ele [Frical] estiver no palanque do Kalil, eu hesitarei em me juntar", afirmou o senador. "Embora respeite todos os adversários políticos, é vital que o respeito seja recíproco. Afinal, as críticas devem ser fundamentadas, especialmente em um regime democrático."

Campos enfatizou sua lealdade a seus colegas e aliados políticos, mencionando as contribuições do grupo de Jayme e Júlio Campos para Mato Grosso e, especificamente, para Várzea Grande. Ao mesmo tempo, ele destacou a importância do respeito mútuo na política, acentuando que ele não guardava rancor, mas esperava que os demais atores políticos agissem da mesma maneira.

Questionado sobre a possibilidade de veto do União Brasil em relação a Frical, o senador indicou que o assunto será discutido uma vez que o partido complete sua organização formal. Também mencionou que decisões relacionadas ao apoio à candidatura de Baracat ainda estão em processo, sobretudo com a saída recente de Baracat do PL.

Comentando sobre alianças anteriores que não funcionaram, Campos relembrou a eleição de 1998 e a candidatura de Júlio Campos a governador de Mato Grosso. Ele enfatizou a necessidade de avaliar cuidadosamente as uniões políticas para garantir que sejam benéficas para a sociedade.

"Quando se unem forças políticas antagônicas, é possível que surjam conflitos", concluiu o senador. "Cabe a nós analisar se tal acordo será bem recebido pela sociedade."